Até que a Morte nos Separe.


Quantos de nós já ouvimos as célebres frases "entre marido e mulher não se mete a colher", "quanto mais me bates mais eu gosto de ti" ou "onde existe ciúme existe sentimento?". Creio que, em determinados momentos da nossa vida, fomos e continuamos a ser alvo, erradamente, de uma cultura machista e sexista, na qual nos ensina, desde jovens, este tipo de crenças disfuncionais.

O título do presente post foi, propositadamente, escolhido para refletirmos sobre estas temáticas de relacionamentos abusivos e o uso da violência.

Segundo os dados mais recentes da APAV, foram registadas só em 2019, mais de 20.000 queixas registadas de violência doméstica, representando assim 79,1% dos crimes perpetrados na linha dos Crimes contra Pessoas: vida ou integridade física. Claro que devemos ter em conta que, apenas estamos a falar de crimes que foram denunciados e categorizados com este rótulo de "Violência Doméstica". No entanto, não nos podemos esquecer que existem outro tipo de práticas, também elas criminosas, que devemos dar, claro, a sua devida importância.






O Ciclo de Violência


O fenómeno de violência ocorre quando existe uma desigualdade de poder na relação e a adoção deste tipo de comportamentos é uma forma, errada e disfuncional, de manter uma sensação de poder e controlo. Assim, surgem as relações abusivas, onde a vitima vivencia um misto de situações patológicas e tóxicas.

Os tipos de violência exercidas, por parte do agressor, podem ser de múltiplas formas desde: violência física, psicológica, social, económica, sexual e, em casos mais extremos, o feminicídio.

Colocámos o fenómeno de feminicídio em último lugar, propositadamente, porque muitos dos casos a mulher acaba, infelizmente, por sucumbir à vida, pelas mãos da pessoa que julgava que a amava. No entanto, não nos podemos esquecer que também existem registos de homens vítimas de violência doméstica, contudo, são as pessoas que se leem como mulheres, independentemente da sua orientação sexual e/ou identidade de género, que apresentam as maiores percentagens deste fenómeno.


Falemos, depois de refletirmos sobre todos estes dados, como funciona o Ciclo de Violência.


(Imagem retirada do site da APAV - link no final do post)



Os Ciclos de Violência tendem a ser cada vez mais repetitivos e violentos, tornando-se, assim, um ciclo vicioso.

Em primeiro lugar, dá-se um aumento da tensão. A vitima encontra-se numa situação de perigosidade, devido a um conjunto de tensões/ataques do dia a dia por parte do agressor como ameaças, chantagem, insultos e injurias.

Em segundo lugar, aparece o fenómeno dos ataques violentos em que, em determinadas situações, o agressor pode partir para a violência física, e não só. É neste momento que ocorre os maus-tratos à vitima que tendem a aumentar o grau de frequência e intensidade ao longo do tempo.

E por último, e não ironicamente menos importante, ocorre o fenómeno, descrito na literatura como Lua-de-Mel. É nesta altura que o agressor, manipula a vítima, estando a mesma cada vez mais fragilizada, tendo em conta o grau de frequência e intensidade, envolvendo-se, o agressor, em episódios de desculpa, carinho e de atenção à vitima.

O ciclo de violência pode repetir-se apenas uma vez, como pode repetir-se, sucessivamente, durante todos os dias, semanas, meses ou anos.


É importante denunciar, mesmo que as agressões não partem da nossa casa. Mesmo que não seja da nossa família.

Mesmo que seja do nosso ciclo de amigos ou não.

Mesmo que seja o nosso vizinho do terceiro andar.

O crime de violência doméstica é real. A violência doméstica é punida por lei e constitui-se como crime público.

Caso sejas vítima de qualquer tipo de violência ou conheces quem seja, DENUCIA.





Lista de algumas Associações e Instituições de luta contra a Violência


APAV (Associação de Apoio à Vítima) - https://apav.pt/

CIG (Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género) - https://www.cig.gov.pt/servicos/servico-de-informacao-as-vitimas-de-violencia-domestica/

Espaço Júlia - https://www.jfsantoantonio.pt/index.php/projectos/espaco-julia

Amato Lusitano - http://www.amatolusitano-ad.pt/projetos/projetos-em-execucao/estrutura-de-atendimento-a-v%C3%ADtimas-de-viol%C3%AAncia-dom%C3%A9stica/

Gabinete de Apoio à Vitimas de Violência no Namoro - https://www.ismai.pt/pt/unidades-de-apoio/gabinetes/gabinete-apoio-violencia-namoro

Casa Qui - https://www.casa-qui.pt/